Mulheres do DF em tempos da COVID-19

Arte: Wal Andrade
É fato que a vida de todos sofreu mudanças em decorrência da pandemia da Covid-19 e, com isso, surge a necessidade de adequação ao novo e de conciliação desta inesperada forma de viver com as mais variadas preocupações sociais.
Em geral, as tarefas domésticas e familiares se concentravam desigualmente sobre as mulheres. Agora, nos tempos de isolamento social imposto pelas medidas de prevenção da Covid-19, a circulação de pessoas nas escolas, nos locais de trabalho e de convivência coletiva foi suspensa, alterando rotinas e atividades cotidianas, principalmente de muitas mulheres, que já eram intensas antes da pandemia do novo Coronavírus.
Queremos convidá-la para fazer parte de um projeto colaborativo, que permitirá a muitas mulheres estarem juntas no filme documentário Ser mulher no DF nos tempos da Covid-19.
Nosso maior objetivo é coletar depoimentos de mulheres do Distrito Federal sobre suas percepções desse momento grave e preocupante.
Sua participação será muito importante como registro histórico sobre nós mulheres de Brasília, apresentando sentimentos, dificuldades e atitudes frente a esses tempos desafiadores.

Como fazer para participar?

Faça um registro em vídeo com o seu celular na posição horizontal sobre sua percepção dessa pandemia e as formas de enfrentamento encontradas por você durante o isolamento social. Pode começar falando seu nome, sua idade, ocupação, a cidade onde mora e há quantos dias está em distanciamento social.
Elaboramos algumas perguntas para ajudar nas suas reflexões.
Elas servirão apenas como guia e você tem liberdade de não responder a todas. 
Esperamos que com esses pontos principais em mente seja possível falar abertamente sobre os tempos de quarentena da Covid-19 (Clique aqui para acessar o guia de perguntas).
Esclarecemos ser esta manifestação espontânea e não remunerada. Deixe sua criatividade e sinceridade fluírem livremente.

Como fazer para enviar o seu vídeo?

• Pelo Whattsapp (zap): vídeo com até no máximo 5 minutos
• Pelo e-mail:
mulherfilmecovid19@gmail.com                          
• Pelo aplicativo We transfer  (
www.wetransfer.com)
• Esclareça suas dúvidas pelo telefone/zap:
0 (XX) (61) 99588.3278

Você pode enviar quantos vídeos quiser.

Período do recebimento dos vídeos:
22 de junho a 22 de agosto de 2020.


Desde já agradecemos pela sua participação no filme documentário
Ser mulher no DF nos tempos da Covid-19.
Desta forma, teremos a grande oportunidade de manter viva nossa memória desse momento tão particular para as futuras gerações.

Grande abraço!

Direção: Tânia Fontenele

 

Coordenadora do Instituto de Pesquisa Aplicada da Mulher.Brasiliense, cineasta e pesquisadora de história oral de mulheres e doutoranda em História Cultural, Memórias e Identidades - Universidade de Brasília (UnB) e Universidade de Montreal. Especialista em Políticas Públicas e Estudos de Gênero pela FLACSO - Argentina – BR. Realizou pesquisas sobre Poder e Liderança de Mulheres no Civil Service College - Ascot / Londres. Diretora dos filmes: Poeira e Batom – 50 mulheres na construção de Brasília; Mulheres dos Cafés no Brasil e A corrida de 5300 mulheres, Saída Sul: Corumbá. Autora dos livros: Mulheres no Topo da Carreira: Flexibilidade e Persistência; Memórias Femininas da Construção de Brasília; Trabalho de Mulher - Mitos e transformações, em coautoria com Adrianne Reis.

Parceria: Kocria Audiovisual

 

A Kocria nasceu em 2010, especializada em Negócios Multiplataformas e Gestão de Projetos. Em 2012, se aproximou do segmento cinematográfico prestando serviços de consultoria em mídia digital à Ligocki Entretenimento. De lá, até o fim de 2017, participou da concepção e da realização de vários projetos audiovisuais, dentre eles “O Último Cine Drive-In”, premiado filme de Iberê Carvalho, “Uma Loucura de Mulher”, de Marcus Ligocki Jr., longa-metragem distribuído nacionalmente pela Imagem Filmes, e do Núcleo Criativo Ligocki, com o desenvolvimento de três novas séries e dois novos longas-metragens para o mercado. Em 2018, a Kocria se estruturou para desenvolver projetos audiovisuais próprios, com foco em produção audiovisual e soluções inovadoras para cadeia produtiva através de processos criativos e metodologias que valorizam a imersão com foco no público final, promovendo conexões reais que geram experiências além das telas, com filmes, séries, aplicativos, ferramentas, novos processos e cursos.

Pesquisa: Rita Polli

 

Rita Polli Rebelo é jornalista e fisioterapeuta. Possui especialização em Didática do Ensino Superior e em Medicina Tradicional Chinesa (Chengdu-China-2009).  É filiada à União Brasileira de Mulheres (UBM) desde sua fundação, em 1988, e coordenou a entidade no Distrito Federal no período de 2015 a 2019. Foi diretora de imprensa do Sindicato dos Bancários de Brasília (1994-1996), assessora de imprensa na Câmara dos Deputados (2002-2006), professora universitária (2006-2010), coordenadora de Saúde da Secretaria de Estado da Mulher do Distrito Federal (2011-2014) e coordenadora da Procuradoria Especial da Mulher do Senado Federal (ProMul 2014-2019). Editou o jornal Senado Mulher, coordenou o projeto de debates Pauta Feminina do Senado e o programa Pauta Feminina da Rádio Senado e atualmente é redatora do portal Bonifácio. É idealizadora do encontro “Saúde da Mulher, autonomia no corpo e na vida”, que pode ser conhecido pela página: www.esqueleta.com.br